Ver Mais

Heróis do mar

No dia 5 de Outubro de 1910, em Lisboa, pelas nove horas da manhã, os militares revolucionários desceram da Rotunda, em direcção à Praça do Município para assistir, vitoriosos, à Proclamação da República, que tinham acabado de implantar. Avenida da Liberdade abaixo, aclamados pelos populares, a marcha triunfal é feita ao som da Portuguesa.

16.50

ISBN: 978-989-626-698-1 Categoria: Etiquetas: , , ,

No dia 5 de Outubro de 1910, em Lisboa, pelas nove horas da manhã, os militares revolucionários desceram da Rotunda, em direcção à Praça do Município para assistir, vitoriosos, à Proclamação da República, que tinham acabado de implantar. Avenida da Liberdade abaixo, aclamados pelos populares, a marcha triunfal é feita ao som da Portuguesa. E, à passagem pelo Rossio, no alto do castelo de São Jorge, ondulava, já, uma bandeira verde e vermelha. Há uma história antes e uma história depois. Mas este é, política e simbolicamente, o momento fundador. Da bandeira e do hino, que mais de um século depois, ainda hoje, continuam a ser os símbolos de Portugal. Mas como é que um pedaço de pano se transforma numa bandeira nacional? Como é que um simples canto se transforma num hino nacional? E como é que o desfraldar de uma bandeira ou um canto em uníssono de um hino, podem provocar tamanha emoção, incendiar tanta paixão e mobilizar tanta força? Ou seja, o que são e como funcionam os símbolos nacionais? Nuno Severiano Teixeira responde a estas questões explicando os símbolos nacionais no contexto histórico do Portugal contemporâneo; as suas origens e o seu significado, a suas funções social e política; enfim, a evolução da relação dos símbolos nacionais – a bandeira e o hino – com o Estado e a nação, Portugal e os portugueses.

Número de páginas

160

Data de Publicação

junho 2015

Autor

Nuno Severiano Teixeira

Editor

A Esfera do Livros