Biografia de um Inspector da PIDE

De memória invulgar, minucioso, inteligente, extremamente vaidoso, visceralmente salazarista, com uma folha de serviço «brilhante», Fernando Gouveia foi um dos investigadores da PVDE/PIDE/DGS mais temidos pelo Partido Comunista Português (PCP).

Era um homem baixo, de rosto fechado, sempre de chapéu e fato engomado, marcado pelo nascimento ilegítimo e por uma infância dura, pai de sete filhos, fruto de vários casamentos.

27.00
Vista rápida

Capitãs de Abril

O amor colocou-as no centro da revolução que derrubou 40 anos de ditadura em Portugal. E elas cumpriram o seu papel. Em casa, para que a liberdade chegasse à rua. Lutaram nas fileiras da conspiração, dando cobertura a reuniões clandestinas, passando à máquina manifestos, instigando a revolta ou simplesmente “assobiando” para o lado como quem não vê o golpe em marcha. Esta é a história das mulheres dos capitães de Abril.

18.00
Vista rápida

Carlota Joaquina

Nunca na História de Portugal uma rainha provocou paixões tão contraditórias como Carlota Joaquina de Borbón (1775-1830). Requintada «divindade tutelar» para os seus seguidores, foi considerada vulgar, luxuriosa e assassina pelos seus inimigos.

25.00
Vista rápida

Catarina de Áustria

A 14 de Janeiro de 1507 nascia em Torquemada a filha de Filipe I e de D. Joana, reis de Castela. A infanta, a quem por vontade da mãe foi dado o nome de Catarina, vinha ao mundo em circunstâncias singulares. Nascia num momento de profunda incerteza política, órfã de pai, falecido em 1506, e filha de uma rainha a quem muitos começavam a chamar Louca. Em 1509, D. Joana foi encarcerada no paço régio de Tordesilhas, às ordens de Fernando o Católico.

30.00
Vista rápida

César

Caio Júlio César contínua a ser o romano mais famoso que alguma vez viveu. Carismático líder de homens, sedutor nato de mulheres, era um homem culto, um político brilhante e um génio militar, tendo saído vitorioso de algumas das batalhas mais espectaculares da História. Júlio César morreu aos 56 anos, depois de ter sido nomeado ditador vitalício, assassinado por um grupo de senadores que pretendia defender a República.

29.00
Vista rápida

Cinco Homens que abalaram a Europa

À partida, nada parecia irmanar o filho do sapateiro georgiano, o primogénito do ferreiro italiano, o rebento do funcionário das alfândegas austríacas, o varão do feitor português e o descendente do intendente geral da Armada espanhola. Mas a História vai encarregar-se de juntar Estaline, Mussolini, Hitler, Salazar e Franco.

27.50
Vista rápida

Construtores do Império

Os historiadores João Paulo Oliveira e Costa e Vítor Luís Gaspar Rodrigues apresentam-nos Construtores do Império, uma obra indispensável para todos, que realça a dimensão da ação individual na História. Oriundas de meios sociais diferentes e tendo desempenhado funções variadas, todas contribuíram para que a autoridade da Coroa de Portugal e a influência das suas gentes se espalhasse pelo mundo, desde o Brasil até ao Japão.

17.90
Vista rápida

D. Filipa de Bragança

Paulo Drumond Braga apresenta-nos a biografia de D. Filipa de Bragança, uma figura fascinante da História de Portugal que sempre ficou na sombra, apesar do seu incansável empenho para tentar restaurar a Monarquia.
A Infanta empenhou-se na restauração da Monarquia na pessoa do seu irmão D. Duarte Nuno e, para isso, nos anos 40, aproximou-se de Salazar, confiando que um dia este daria o passo decisivo. A correspondência trocada entre os dois era frequente, assim como as visitas regulares da infanta a São Bento e a Santa Comba Dão. O historiador traça ainda uma perspetiva inovadora sobre a forma como António de Oliveira Salazar geriu a sua relação com os monárquicos.

20.00
Vista rápida

D. Manuel II, o último Rei de Portugal

A vida de D. Manuel II, o último rei de Portugal, suscita um enorme interesse É a vida de um rei cuja figura ficou marcada por um rasto de saudade, quase um mito para monárquicos e nostálgicos, e por um profundo desconhecimento, especialmente dos anos do seu prolongado e frustrante exílio em Inglaterra. Um homem que morreu cedo de mais, em 1932, de forma inesperada, e sem deixar filhos como garante essencial da continuidade dinástica da histórica Casa de Bragança.

21.00
Vista rápida

D. Maria I

Nasceu princesa da Beira, a 17 de Dezembro de 1734, mas ficou para a História como D. Maria I, a Rainha Louca. Na sua conturbada vida, viveu o horror da destruição do terrível terramoto que abalou a capital em 1755, viu o seu pai, D. José I, sofrer um atentado, assistiu à execução de alguns nobres que foram acusados de conspiração, sofreu atormentada a pressão e a crueldade do marquês de Pombal, homem de confiança de seu pai, mas teve forças para o confrontar e afastar do poder.

26.00
Vista rápida

D. Maria II

A 4 de Abril de 1819 nascia no Brasil a princesa D. Maria da Glória, filha de D. Pedro de Bragança herdeiro do trono de Portugal e de D. Leopoldina de Áustria. Com apenas 7 anos foi declarada rainha de Portugal, mas somente aos 15 anos conheceu o país que iria governar. Um reino, bem diferente das terras de Vera Cruz, marcado pela Guerra Peninsular a que se seguiu a guerra civil entre D. Pedro e D. Miguel – liberais contra absolutistas.

21.00
Vista rápida

Das Trincheiras com Saudade

A partir de Janeiro de 1917, o cais de Alcântara assiste aos sucessivos embarques de tropas portuguesas rumo à Flandres. Em França reúnem – -se aos aliados ingleses para combaterem, na I Guerra Mundial, contra o inimigo comum: a Alemanha. A 2 de Abril de 1917, a coberto da bruma da madrugada, entraram nas trincheiras os primeiros soldados portugueses que iriam participar na campanha da I Guerra Mundial, num total de 55 mil expedicionários.

21.00
Vista rápida